domingo, 28 de março de 2010

Um Gaúcho em São Paulo - IV (São Luiz do Paraitinga)

São Luiz do Paraitinga

(A Igreja, vista nesta imagem, se tranformou nos escombos, mostrados abaixo)









Depois do passeio pelo sul de Minas Gerais, havia em Pindamonhamgaba uma expectativa por parte dos meninos da capital e de alguns vizinhos, quanto à uma promessa que eu havia feito, de preparar um churrasco, bem à moda gaúcha.

Os meninos se cotizaram no dia anterior e compraram um razoável pedaço de carne, que, se não fosse a ausência de osso e de gordura, daria um bom espeto. Mas alguém, que preferiu não se identificar, teve a infeliz idéia de guardá-lo no congelador, de sorte que quando fui prepará-lo, estava duro como uma pedra.

Decidi sair e procurar uma carne de verdade para um churrasco gaúcho, para não ficar mal falado. Não foi fácil, mas depois de uma pequena peregrinação, encontrei uma costela, que com alguns pequenos ajustes no corte, que o açougueiro fez, sem muito entender e sob a minha orientação, ficou com um aspecto apropriado.

Parece ter agradado, pois pouco sobrou para o carreteiro do dia seguinte.
Já falei que eu havia planejado visitar amigas em cidades da região, mas o tempo estava se esgotando, e não havia mais vaga na agenda para ir à todos os lugares. Então, para não parecer que eu estaria priorizando umas e excluindo outras, decidimos por ir à um lugar que estava, inicialmente, fora do roteiro: São Luiz do Paraitinga.
As impressionantes imagens que vi na televisão, no início do ano, aguçou minha vontade de conhecer São Luis. Deixamos a Polly em Taubaté e seguimos pela Rodovia Osvaldo Cruz em direção à Ubatuba.

Logo na chegada, fomos informados de que a rodovia de acesso estava bloqueada, na ponte do rio Paraitinga, sendo necessário voltar à Osvaldo Cruz, e entrar na cidade pelo outro acesso, mais à leste.

Antes de retornarmos, no entando, foi possível observarmos o rio. Parece inacreditável que um rio de dimensões tão acanhadas pudesse ter causado tanta destruição. Mas ao ver os vestígios deixados pelas águas nas copas das árvores, e traçando uma linha horizontal imaginária, poderiamos ter uma idéia da gravidade da tragédia. (Na foto à direita, a marca da água, no centro histórico).

São Luiz ainda é linda. Suas ruas estreitas e seus prédios antigos, com a força das águas, deixaram à mostra suas entranhas. As paredes semi-destruídas das construções, revelam a tecnologia adotada no passado.
A maioria dos prédios foram construídos com estuques, pau à pique, barreados com grossas camadas de terra sovada.

São Luiz do Paraitinga é um dos 29 municípios paulistas considerados estâncias turísticas pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto a seu nome o título de estância turística, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

Localiza-se a uma latitude 23º13'18" sul e a uma longitude 45º18'36" oeste, estando a uma altitude de 741 metros. Sua população estimada em 2004 era de 10.689 habitantes. Pertence à terceira Região Administrativa do Estado de São Paulo - Vale do Paraíba.
HISTÓRICO

O Capitão Vieira da Cunha e João Sobrinho de Moraes alegaram pretender povoar a região dos sertões da Paraitinga e, por isso, receberam do Capitão de Taubaté, Felipe Carneiro de Alcaçouva e Souza as primeiras sesmarias da então Vila de Guaratinguetá, que havia explorado todo aquele sertão, apresentou ao Governador, capitão-general D.Luís Antonio de Souza Botelho Mourão, um requerimento em que vários povoadores lhe pediam para fundar junto ao Rio Paraitinga e entre Taubaté e Ubatuba, uma nova povoação.

A 2 de Maio de 1.769 essa petição foi deferida, recebendo a povoação o nome de São Luiz e Santo Antonio do Paraitinga, sendo a padroeira Nossa Senhora dos Prazeres.

No dia 8 de maio de 1.769 o sargento mor Manoel Antonio de Carvalho foi nomeado fundador e governador da nova povoação. Um incentivo do governador geral estimulou a mudança de mais gente para o local que foi elevada à Vila em janeiro de 1.773, instalada a 31 de Março do mesmo ano.

A Vila teve rápido progresso de início, mas depois veio a estacionar na cultura dos cereais e só muito mais tarde se deu início à plantação de café e algodão.

Por lei provincial a 30 de Abril de 1.857 foi elevada a categoria de cidade e por título de 11 de junho de 1.873 obteve a denominação de "Imperial Cidade de São Luiz do Paraitinga".

Transforma-se em Estância Turística a cidade de São Luiz do Paraitinga(Aprovado pela Lei Estadual nº 11.197 de 5 de julho de 2002

A cidade de São Luiz do Paraitinga é conhecida por seu patrimônio histórico-arquitetônico e também por ser pólo de grande produção artística e cultural. A agenda da estância turística é rica em eventos e manifestações da cultura popular. O turismo cultural é a principal fonte de receitas do pequeno município, o que reforça a importância da cultura como meio de geração de emprego, renda e desenvolvimento econômico.
Arrasada pelas chuvas do começo do ano – a cidade sofreu inundação e teve grande parte de suas construções históricas destruídas – São Luiz do Paraitinga vê ameaçado o turismo que garante suas receitas.
Os artistas e artesãos luizenses, que já perderam grande parte de seu acervo com a enchente, também se vêm ameaçados pelo cancelamento das atividades culturais no município.

ORIGEM DO NOME
Paraitinga é o nome do Rio onde, desde os tempos dos Bandeirantes havia um posto avançado por onde passavam o café e o ouro mineiro. Ao ser fundada a povoação em 1.769, o nome foi São Luís e Santo Antonio do Paraitinga, sendo mudado depois para São Luiz do Paraitinga, quando o padroeiro passou a ser São Luiz, Bispo de Tolosa.
PARAHYTINGA - De origem indígena: Da língua Tupi-Guarani - "Águas Claras"

Dentre seus atrativos, destacam-se, na área urbana, seu conjunto arquitetônico, visto que tem o maior número de casas térreas e sobrados tombados pelo CONDEPHAAT no Estado de São Paulo (são quase 90 prédios declarados de interesse paisagístico) e a casa de Oswaldo Cruz (hoje um centro cultural).
Por estar localizada num lugar alto, não foi atingida pelas águas do rio. No entanto, vários cômodos e salas da casa estavam fechadas à visitação ocupadas por móveis e acervo da igreja destruída.

Não tenho a menor dúvida de que São Luiz do Paraitinga será reconstruída. É isso que se percebe no semblante das pessoas.
Por entre os escombros, uma senhora de cabelos brancos, apareceu na janela semi-destruída de uma sacada, e estendeu uma toalha bordada.


Ainda com as imagens da pequena São Luiz na retina, paramos num restaurante à beira da estrada, entre São Luiz e Taubaté. Passava do meio dia. Sobre um enorme fogão à lenha, fumegavam panelas que me fizeram lembrar da finada vó Rosa, lá dos confins de Clemente Argolo, interior de Lagoa Vermelha.
Chegava a hora de voltar para o pântano...
_________________

Obs. Em alguns documentos, São Luiz é grafado com "S"... Em outros com "Z". Preferi mantê-lo com "Z", pelo fato do Bispo de Tolosa, ser assim grafado.

________________

No Site da Prefeitura, consta os seguintes ítens, para os solidários que queiram e possam ajudar:

*HIGIÊNE PESSOAL
*UTENSÍLIOS DE COZINHA
*UTENSÍLIOS DE CAMA, MESA E BANHO
*MÓVEIS
*ELETRODOMÉSTICOS


*REMÉDIOS-
- AAS - 100 mg;
- Ácido valpróico
- 250 mg;
- Ácido valpróico solução oral;
- Buscopan composto gotas;
- Carbamazepina - 200 mg;
- Carbamazepina - Solução oral;
- Carbonato de lítio - 300 mg;
- Carvedilol - 3,125 mg, 6,25 mg, 12,5 mg , 25 mg;
- Cinarizina 75 mg;
- Dermacerium;
- Dersani;
- Dimeticona gotas;
- Fenitoína 100mg;
- Glibenclamida 5mg;
- Haldol Decanoato;
- Haloperidol 5mg;
- Metformina 850 mg;
- Neomicina pomada;
- Prometazina 25mg;
- Sustrate 10 mg.

RAZÃO SOCIAL: PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA
CNPJ: 46.631.248/0001-51
ENDEREÇO: PRAÇA DR. OSWALDO CRUZ, 03 - CENTRO
CEP: 12140-000 - SÃO LUIZ DO PARAITINGA-SP
CONTAS BANCÁRIAS PARA DOAÇÕES
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AGÊNCIA 2898C/C 12-2TIPO 006
BANCO DO BRASILAGÊNCIA 076-0C/C 202020-3
_________________

Fontes: Prefeitura Municipal de São Luiz do Paraitinga.
Fotos: Site oficial da Prefeitura Municipal de São Luiz do Paraitinga.
Marta Kurigatah
____________________

8 comentários:

krika disse...

Magnífica perigrinação do amigo corcundinha a região sudeste do país. Ele é detalhista né?
Diga-me afilhado: oq ue sabe a respeito da tradição do domingo de ramos em relação a preservação do planeta? Não é estranho culturalmente as pessoas apanharem galhos de palmeiras para a procissão? Não poderiam abolir tal ato?

Quasímodo disse...

Amiga Krika;

Não creio ser para tanto, mesmo entendendo a sua preocupação preservacionista.

Como o nome mesmo diz, são ramos que são utilizados, lembrando a entrada de Jesus, na cidade de Jerusalém.

Muito mais grave, na minha opinião, é a utilização de árvores arrancadas das matas, para representar o Natal. Pelo que sei (e sei pouco) na Bíblia não há nenhuma referência à um pinheirinho enfeitado próximo à manjedoura.

Já os ramos de palma, tem a sua comprovação histórica e bíblica. E o uso dos ramos, não mata a planta. É como uma poda litúrgica.

Reproduzo aqui, trechos da Wikipédia:

O Domingo de Ramos é a festa litúrgica que celebra a entrada de Jesus Cristo na cidade de Jerusalém. É também a abertura da Semana Santa. Nesse dia, são comuns procissões em que os fiéis levam consigo ramos de oliveira ou palmeira, o que originou o nome da celebração. Segundo os Evangelhos, Jesus foi para Jerusalém para celebrar a Páscoa Judaica com os(discípulos). Entrou na cidade como um Rei, mas sentado num jumentinho - o simbolo da humildade - e foi aclamado pela população como o Messias, o Rei de Israel. A multidão o aclamava: "Hosana ao Filho de Davi!" Isto aconteceu alguns dias antes da sua Paixão, Morte e Ressurreição. A Páscoa Cristã celebra então a Ressurreição de Jesus Cristo.

Beijo grande, amiga. A Torre está saudosa de suas matérias..

Rogger disse...

Legal tudo por aqui

Obrigado pelo convite

Seja Bem Vindo tbm...

estava pensando uma forma de responder lá no flogg, mas aqui é perfeito.

agora vou dar uma espiada em tudo...
risoss " xeretar " Bom Feriado de Páscoa.

krika disse...

Feliz Páscoa amigo...
Desculpe a correria, é que a produção do projeto recicriar anda me ocupando por demais...
Lí seu comentário sobre o domingo de ramos, obrigada
A sapa não me enviou nenhuma foto ainda...Será que ela esqueceu?

Fá disse...

__riqueza de detalhes, abundância de sentimentos, quanta emoção em ler, parece que embarquei um tantinho nessa viagem linda.
mas uma coisa eu lhe digo: BOTUCATU, anda carentinha de descrições, assim, de altíssimo primor...rss*
coloca no mapa, tá?
um beijo nos dois.
.

Stela Guimarães disse...

Gostei muito do blog. Mas incomodou-me o fato de dar um copidesque de alguns textos sem citar a fonte. Acho que seria interessante.
Bom trabalho! Abraço,
Stela

Quasímodo disse...

Stela:

A maior parte das informações, históricas, geográficas e outras, foram extraídas do Site oficial da Prefeitura Municipal de São Luiz do Paraitinga, como informado no final do texto. O endereço é http://www.saoluizdoparaitinga.sp.gov.br/

As fotos foram feitas por nós.

Coincidentemente estou em São Paulo e, na próxima semana irei novamente à São Luiz.

Obrigado pela visita. Sejas sempre bem vinda.

Mariana disse...

Nunca esteve nesse lugar histórico, mas tenho muita vontade de conhece-lo.
No caso nos remédios, eu precisaria elem de todos esses que estão no listado, o propatilnitrato para o meu marido.

 
Letras da Torre - Templates Novo Blogger